quinta-feira, 23 de novembro de 2017

[LIGA EUROPA 17/18] Grupo E - Lyon x Apollon Limassol

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


FOTO: groupama-stadium.com

Lyon e Atalanta podem garantir classificação nesta quinta-feira para a próxima fase da Liga Europa. Os dois clubes dividem a liderança do Grupo E, ambos com oito pontos. Para que isso ocorra, é preciso que o time italiano vença o Everton, lanterna com um ponto, no Estádio Goodison Park, em Liverpool, na Inglaterra.

Em situção similar, podendo se garantir com um empate, aparece o Lyon, que recebe o Apollon Limassol, do Chipre, que tem três pontos, no Groupama Stadium, em Lyon.

Lyon e Apollon Limassol se enfrentam nesta quinta-feira (23), às 18h05 (horário de Brasília). No Brasil, a Fox Sports irá transmitir a partida ao vivo. Abaixo, saiba quem foram os jogadores relacionados pelos dois treinadores.



LYON:

GOLEIROS: Mathieu GORGELIN e Anthony LOPES;
LATERAIS: RAFAEL, Ferland MENDY, Fernando MARÇAL e Kenny TETE;
ZAGUEIROS: Mouctar DIAKHABY, MARCELO e Jérémy MOREL;
VOLANTES: Lucas TOUSART e Tanguy N'DOMBÉLÉ;
MEIAS: Houssem AOUAR e Nabil FEKIR;
ATACANTES: MEMPHIS Depay, Bertrand TRAORÉ, MARIANO Díaz, Myziane MAOLIDA e Amine GOUIRI;
TÉCNICO: Bruno GÉNÉSIO;
DESFALQUES: Clément GRENIER



APOLLON LIMASSOL:
(O clube viajou com 30 jogadores. Apenas 18 serão oficialmente relacionados)

GOLEIROS: BRUNO VALE, Valentin COJOCARU, Michalis PAPACHARALAMPOUS e Anastasios KISSAS;
LATERAIS: Marios STYLIANOU, Giorgos VASILIOU e Leonidas KYRIAKOU;
ZAGUEIROS: Valentin ROBERGE, Héctor YUSTE e Angelis ANGELI;
VOLANTES: Esteban SACHETTI, ALEF, Matija SPOLJARIC, Andrei PITIAN e ALLAN;
MEIAS: Antonio JAKOLIS, Miguel BEDOYA, ALEX da Silva, JOÃO PEDRO, Luca POLIZZI, Evodras SILVESTROS, Giannis CHATZIVASILIS e Nicolás MARTÍNEZ;
ATACANTES: Ioannis PITTAS, Anton MAGLICA, Theo MENDY, Fotis PAPOULIS, Andrián SARDINERO, Emilio ZELAYA e André SCHEMBRI;
TÉCNICO: Sofronis AVGOUSTI;
DESFALQUES: Michail PAPASTYLIANOU e Konstantinos MAKRIDIS


Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Le Podcast du Foot #68 – A reconstrução do Monaco

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi/Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


"Novo Monaco" tenta repetir o feito da temporada passada (Foto: asmonaco.com)

Le Podcast du Foot está chegando a sua edição #68 e, nela, nossos debatedores falaram sobre o processo de reconstrução do Monaco. Após uma temporada 2016/17 brilhante, levando o título francês e chegando a uma impensável semifinal de Liga dos Campeões da Europa, a equipe monegasca passou por drásticas mudanças no elenco. Kyllian Mbappé, Bernardo Silva, Tiemoué Bakayoko e Benjamin Mendy foram apenas alguns dos que deixaram o clube após desempenho de altíssimo nível.

Na nova temporada, apesar de estar na segunda colocação no Campeonato Francês, as atuações ainda não estão em patamar semelhante ao do ano anterior, e o técnico Leonardo Jardim vem precisando encontrar novas soluções entre os reforços e atletas que ficaram.

Participaram do podcast o jornalista Eduardo Madeira, editor do Europa Football; Renato Gomes; e Simon Balacheff, correspondente do Lucarné Opposée no Brasil.


OUÇA O MATERIAL NO DISPLAY ABAIXO:

Ouça a TODAS AS OUTRAS EDIÇÕES do podcast.

Comente também nos blogs do Eduardo Junior e na minha coluna do SporTV! Ahh... passe lá na fan page da Ligue1Brasil no Facebook também!

Passe aqui depois e me diga o que achou. Deixe seu pitaco, sua dica, sua reclamação e também a sua pergunta. Você pode ter seu nome lido no programa. Seja corneteiro. Faça parte do podcast!


Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

domingo, 19 de novembro de 2017

Placar em branco em casa prova que o Lyon sofre de "Fekirdependência"

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


Com a suspensão do seu principal jogador, o ataque do OL foi ineficiente e acabou deixando dois pontos irem para o ralo. Falta de experiência do elenco também prejudicou nos momentos de tensão



No duelo deste domingo, o Lyon tinha um objetivo bem claro em mente: vencer o Montpellier e encostar no Monaco na tabela. O time do Principado fechou a 13ª com 29 pontos e, caso o OL vencesse, chegaria aos 28. Um feito importante que o colocaria, realmente, na briga pela parte de cima da tabela. O adversário da noite, visitando o Groupama Stadium, também tinha a clara ambição de vencer - mas caso conseguisse arrancar apenas um ponto, também estaria de bom tamanho. O MHSC tinha chances de chegar até em 6º lugar e só precisava da vitória para isso acontecer.

Jogando em casa, o Lyon tinha algumas pequenas peças soltas para Bruno Génésio resolver, a começar por Nabil Fekir. O craque do time recebeu cartão amarelo no clássico contra o St-Étienne e ficou suspenso para o jogo de hoje. Bertrand Traoré, que sentiu cansaço na sua viagem por Burkina Faso na data Fifa, pediu descanso e começava no banco. Além deles, Morel, Ferri e Grenier também eram ausências já confirmadas desde ontem para o treinador, que optou por jogar no 4-3-3, novamente com Aouar de titular, assim como N'Dombélé e Cornet no ataque. Outra novidade do OL era a presença de Diop no banco, relacionado pela primeira vez desde que foi contratado na última janela. Confira como ficou os 11 iniciais:




Pelo lado dos visitantes, Michel Der Zakarian também tinha problemas com desfalques e isso influenciava diretamente sua escalação. Jogando fora e querendo pelo menos um empate, sua formação inicial foi armada de forma um pouco defensiva. Três zagueiros e cinco homens no meio de campo. De desfalques, os jovens Poaty, Skhiri e Ikoné, além do experiente zagueiro Daniel Congré. Com poucos gols marcados na competição até então, o MHSC ainda não tem um nome que carrega o time na temporada, mas sua grande força é sua defesa muito segura e seu ataque extremamente experiente, formado por Sio e Camara. Abaixo, veja como ficou o time de Der Zakarian:




Inflamado pela torcida presente no estádio, os primeiros dez minutos de jogo foram, de certa forma, decepcionantes para quem presenciava a partida no estádio. Meio de campo bastante povoado, muitas faltas, alguns cartões e praticamente nenhuma boa jogada criada pelos dois lados. O Lyon era ligeiramente melhor, pois tinha controle da posse de bola, mas pareciam que os elencos se estudavam no comecinho e pouca coisa aconteceu.

A primeira boa oportunidade de gol foi criada por Houssem Aouar, aos 13'. Ele roubou bola do brasileiro Vitorino Hilton, conseguiu avançar, entrou dentro da área e quase sem ângulo chutou forte. A bola foi pela rede ao lado de fora. Alguns minutos depois, o Montpellier também apresentou suas armas e também foi de forma individual. Paul Lasne recebeu do meio da rua e decidiu arriscar dali mesmo. A bola foi por cima, mas pegou um efeito que quase surpreendeu Anthony Lopes.

Aos 28' de jogo, o OL conseguiu, finalmente, criar outra excelente oportunidade de gol. Tudo começou no meio de campo, quando Pedro Mendes perdeu a bola para Mariano Díaz. Ele saiu em disparada junto com Cornet, que acabou ficando com a posse de bola e avançou em contra-ataque. Mariano abria pelo centro, mas Memphis Depay aparecia sozinho na esquerda. O holandês recebeu e faltou frieza na hora de finalizar. Acabou isolando o chute, mesmo estando na cara do gol.

Não durou nem mais do que cinco minutos para o Lyon chegar novamente com perigo. Mais uma vez, a jogada surgiu dos pés de Cornet, na direita. Ele roubou bola - que o Montpellier reclamou falta - e prosseguiu no lance. Para entrar na área, tabelou com N'Dombélé, que achou um ótimo passe e deixou o atacante dentro da área. Na finalização, Cornet chutou rasteiro e Lecomte tirou com os pés. Na resposta, o MHSC chegou com Ninga, que viu o clarão e arriscou da intermediária. O chute forte passou ao lado do gol de Lopes.

Mesmo com o Lyon imprimindo quase 65% de posse de bola no primeiro tempo, o Montpellier conseguia igualar as ações. Não criavam muito, mas também não dava espaços para o OL principalmente construir suas jogadas criativas no meio de campo. O Lyon dependia exclusivamente de um lance fortuito e individualizado dos seus homens de frente, ou alguma bola parada, chute de fora da área, etc. A dificuldade para chegar com a bola nos pés, na defesa adversária, era latente.

Antes do intervalo, o time visitante ainda tentou criar algumas jogadas que foram, de certa forma, muito bem construídas. Essa situação acabou expondo um outro ponto positivo do jogo: a defesa do Lyon. Muito bem posicionada, segura e veloz, praticamente neutralizou todas as tentativas adversárias. Pelo lado direito, com Kenny Tete e o brasileiro Marcelo, inclusive, era o lado em que mais aconteciam as roubadas de bola e algumas chances, posteriormente, de contra-ataque.

No segundo tempo, o Lyon também foi o primeiro a chegar com perigo, repetindo as ações da primeira parte. Em jogada construída no meio de campo, Memphis se posicionou centralizado, recebeu e conseguiu fazer bom passe para Cornet, aberto na direita. O atacante avançou em direção diagonal, podendo fazer o cruzamento para Mariano Díaz que aparecia no segundo pau, mas preferiu chutar meio torto. Lecomte salvou. Foi a última ação de Cornet no jogo, trocado por Traoré.

Naquele momento do jogo, a situação da partida era bastante cômoda para a equipe do treinador Michel Der Zakarian. O Montpellier conseguia equilibrar as forças com o Lyon, criava suas jogadas, e mantinha um resultado interessante fora de casa. Um lance despretensioso poderia jogar esse plano todo por água abaixo, mas também poderia colocar seu time pra frente. Por isso demorou a mexer, mas quando mexeu, trocou duas vezes:  Entraram Cozza e M'Benza para as saídas de Roussillion e Sio.

No mesmo instante, o Lyon também trocava. Arriscadamente, Génésio queimava suas duas últimas alterações aos 30' do segundo tempo. N'Dombélé e Mendy deixaram o gramado para dar lugar ao jovem Amine Gouiri - estreando com a camisa principal do OL e também o brasileiro Fernando Marçal. Taticamente, o time também mudava, indo para o clássico 4-4-2, com Gouiri e Mariano Díaz fazendo a frente. Além de Aouar compondo o meio com Tousart.

Quando o jogo já se aproximava dos últimos dez minutos, o Lyon parecia ter perdido seu centro e toda organização que buscava ao longo da partida. O desespero pela vitória tomou conta do time e as jogadas ofensivas se tornaram bagunçadas. Ora era chute de fora da área de forma desnecessária, ora era levantamento para os centroavantes... Mas tudo sem precisão. Os jogadores pareciam visivelmente nervosos com a falta de gol.

Com claros indícios de que o Lyon se perdia em suas ações no jogo, até mesmo devido a falta de experiência do elenco, Michel Der Zakarian ousou em sua última troca. Colocou um homem de frente com bastante experiência e que poderia dar o toque de tranquilidade que o seu time precisava. O Montpellier queimava sua última substituição aos 38' do segundo tempo, tirando Ninga e colocando o habilidoso Stéphane Sessègnon.

Nos últimos minutos de jogo, aquele estilo de jogo na base do desespero foi ativado. Bolas na área, cruzamentos na tentativa de criar um bate-rebate na defesa adversária. Tudo isso foi usado. Mas o OL não conseguiu fazer o seu gol em casa e acabou cedendo o empate ao adversário. A partida só mostrou que o Lyon sofre, sim, de uma Fekirdependência e terá que lidar com isso durante a temporada.

O Lyon agora dá uma pausa em seus compromissos pelo Campeoanto Francês e retorna suas atenções ao Grupo E da Liga Europa. O adversário será, novamente, o Apollon Limassol, clube cipriota que complicou no jogo de ida. Agora, no Groupama Stadium, o OL terá a chance de carimbar sua vaga para a próxima fase. O duelo será às 18h05 do horário de verão de Brasília, do próximo dia 23, quinta-feira. Até lá!

FOTOS: France Football / olweb.fr / L'Equipe
CAMPINHOS: Foot Mercato


MELHORES MOMENTOS:



Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

sábado, 18 de novembro de 2017

[Ligue1 17/18] 13ª rodada - Lyon x Montpellier

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


FOTO: academiadasapostasbrasil.com

O Campeonato Francês - assim como todas as ligas europeias - fizeram uma pausa na última semana em função das datas Fifa. O Lyon, que vinha de uma vitória acachapante, por 5 a 0, em cima do seu maior rival, acabou aproveitando esse período para comemorar e dar tempo, inclusive, de "abaixar a poeira" da comemoração efusiva e dos lances polêmicos.

Independentemente da semana pausada, o foco das duas equipes nesse domingo será bastante parecido. O Lyon quer e precisa encostar nas cabeças. Atualmente, na terceira colocação, visa colar no Monaco, que já jogou nessa rodada e está a apenas quatro pontos na frente (29 a 25). Com uma vitória, essa distância diminuiria para apenas um ponto e colocaria o OL em uma situação interessante na tabela.

Contudo, a semana não trouxe boas notícas para Génésio, vindas do departamento médico. Com Fekir, já suspenso da partida, ele não pode ter a volta de Grenier, ainda machucado, e também perdeu Morel e Ferri por lesão. Por outro lado, Diop volta a ser relacionado pelo time principal e pode, quem sabe, enfim, estrear com a camisa do OL.

As notícias do DM também não são boas para Michel der Zakarian, treinador do Montpellier. O meia Ikoné, emprestado do PSG, era dúvida e acabou ficando de fora. Ausências certas já eram do lateral Poaty, do zagueiro Congré e do volante Skhiri. Por outro lado, o lateral Jérôme Roussillon volta de lesão e fica a disposição do técnico franco-armênio.

O MHSC está, atualmente, na oitava colocação com 16 pontos. Uma vitória pode lhe deixar num confortável 6º lugar. Basta vencer o OL e torcer para o Caen perder em casa para o Nice. O Montpellier é a quarta equipe que menos marcou gols na competição, somando nove em 12 jogos. Por outro lado, é a segunda que menos sofreu também, com oito, ficando atrás apenas do PSG.

O jogo deste domingo terá um gostinho especial e diferente para o presidente do Montpellier, Laurent Nicollin. Ele é filho e herdeiro de Louis Nicollin, ex-presidente do clube, que era declaradamente torcedor do Lyon e faleceu no último mês de junho. Em entrevista para a imprensa francesa, Laurent disse que sua memória afetiva será bastante afetada quando tiver pela cidade de Lyon e também quando entrar no estádio. Homenagens deverão ser prestadas no pré-jogo.

A partida entre Lyon e Montpellier acontece neste domingo (19/11), às 14h do horário de verão de Brasília. No Brasil, nenhuma emissora vai transmitir a partida. Abaixo, confira os relacionados pelos dois times.



LYON:

GOLEIROS: Mathieu GORGELIN e Anthony LOPES;
LATERAIS: Fernando MARÇAL, Ferland MENDY, Kenny TETE e RAFAEL;
ZAGUEIROS: Mapou YANGA-M'BIWA, Mouctar DIAKHABY e MARCELO;
VOLANTES: Tanguy N'DOMBÉLÉ, Pape Cheik DIOP e Lucas TOUSART;
MEIAS: Houssem AOUAR;
ATACANTES: MEMPHIS Depay, Myziane MAOLIDA, Amine GOUIRI, Bertrand TRAORÉ. Maxwel CORNET e Mariano DÍAZ;
TÉCNICO: Bruno GÉNÉSIO;
DESFALQUES: Jérémy MOREL, Jordan FERRI, Clément GRENIER e Nabil FEKIR



MONTPELLIER:

GOLEIROS: Dimitry BERTAUD e Benjamin LECOMTE;
LATERAIS: Ruben AGUILAR, Jérôme ROUSSILLON e Nordi MUKIELE;
ZAGUEIROS: Vitorino HILTON, Lukáš POKORNÝ, PEDRO MENDES e Nicolas COZZA;
VOLANTES: Junior SAMBIA, Facundo PÍRIZ e Paul LASNE;
MEIAS: Keagan DOLLY e Stéphane SESSÈGNON;
ATACANTES: Isaac M'BENZA, Casimir NINGA, Souleymane CAMARA e Giovanni SIO;
TÉCNICO: Michel DER ZAKARIAN;
DESFALQUES: Morgan POATY, Daniel CONGRÉ, Ellyes SKHIRI e Jonathan IKONÉ


Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

domingo, 5 de novembro de 2017

Com gols de todo o quarteto, Lyon goleia o maior rival fora de casa

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


Fekir, o nome do jogo, marcou duas vezes e foi responsável por provocar a torcida rival e gerar uma paralisação de 40 minutos




115º clássico da história entre Saint-Étienne e Lyon, o duelo - que historicamente se mostra bastante equilibrado - ganhava mais um capítulo neste domingo. E não só o derby, em si, tinha seu enredo. A atual situação dos dois times também era um atrativo a mais. Enquanto o ASSE começou muito bem a Ligue 1 e começou uma queda recentemente. Por outro lado, o Lyon iniciou o campeonato de forma tumultuada e, aos poucos, o time vem se acertando e começou a dar a volta por cima tanto no Francês quanto na Liga Europa. E, agora, os dois se encontravam para tirar isso a limpo.

Com o Geoffroy-Guichard completamente tomado, o Sainté, apesar de ter o retorno do lateral Pierre-Gabriel, por outro lado, tinha a ausência de três jogadores bastante importantes. O capitão Loïc Perrin, o meia Rémy Cabella e o atacante Loïs Diony eram os grandes desfalques do técnico espanhol Óscar Garcia, que contrariando todas as projeções, não encarou o OL no 3-5-2. Armado no 4-3-3, ele escalou o ASSE com as forças que tinha. O brasileiro Hernani começava no banco. Confira como ficou:




Do outro lado do gramado, apoiado apenas por 800 torcedores na torcida visitante, o Lyon só tinha o desfalque de Clément Grenier - que naturalmente já não vinha mesmo sendo relacionado pelo treinador Bruno Génésio. Portanto, praticamente o OL tinha força máxima para enfrentar o rival no derby. Mariano Díaz, que era dúvida até o dia do jogo, estava pronto e começava jogando. As dúvidas nas laterais também foram sanadas com Tete na direita e o brasileiro Marçal na esquerda. Fazendo dupla de volantes com Tousart, o técnico e jovem Aouar foi o escolhido. Confira:




Com o apito de Clément Turpin, a bola não chegou nem a rolar direito e a partida já foi interrompida. Muitos sinalizadores criaram uma fumaça intensa no gramado do Geoffroy-Guichard e a arbitragem preferiu interromper a partida para a névoa abaixar.  Quase oito minutos depois, a bola rolou e o Saint-Étienne quem imprimiu o primeiro lance de perigo. Pajot achou Hamouma se infiltrando e ele saiu frente a frente com Lopes, que evitou bem.

O lance deu sequência em escanteio para o ASSE, mas foi ali que originou o gol do... Lyon! Hamouma foi para cobrança e, bizarramente, tocou pra trás. Entregou a bola para os homens de frente do Lyon. Memphis Depay saiu em velocidade, entrou na área e, com um contra-ataque incrível acabou marcando aos 10'. 1 a 0! Após o gol, a imagem da TV cortou para a entrada do vestiário e lá estava Hamouma reclamando. Poucos minutos depois, Sörderlund entrou em seu lugar.

Não se sabe, oficialmente, se o atacante do Sainté simplesmente se machucou após a cobrança de escanteio ou, por vergonha, abandonou o clássico. Independentemente do que aconteceu, ele não estava mais no jogo e o momento era do OL, que quase marcou na sequência, em cruzamento de Kenny Tete para área e com Memphis mandando uma meia-bicicleta no ângulo, bem buscado por Ruffier.

E só dava Lyon mesmo. O gol rápido parecia ter abatido os donos da casa, que mesmo muito empurrados pelos torcedores, parecia ter um elenco de qualidade inferior ao OL. Aos 25', Fekir fez o que queria. Recebeu de Traoré na linha do meio de campo e dali foi carregando a bola. Na entrada da área, só sofreu a aproximação de Léo Lacroix que, mesmo assim, não deu o bote e acabou dando espaço para o mesmo Fekir mandar no cantinho. 2 a 0!

Só depois de sofrer o segundo gol que o Saint-Étienne conseguiu se comportar melhor em campo. Conseguiu, inclusive, achar uma brecha no lado direito do seu ataque, em cima da marcação de Marçal e Morel. Ainda assim, não era tão efetivo, já que dependia das jogadas aéreas, em bolas alçadas, buscando sempre o centroavante que entrou após o primeiro gol, Söderlund.

Com o acréscimo extenso, em função da fumaça do começo do jogo, o ASSE parecia desesperado para tentar criar alguma coisa, mas era muito fraco em suas finalizações. Não tinha, realmente, muita qualidade de penetração e tentavam de qualquer forma uma reação. Essa bagunça e falta de qualidade técnica acabou minando, literalmente, todas as pequenas chances criadas pelos donos da casa no primeiro tempo.

Se o primeiro tempo terminou morno, a segunda etapa já veio com tudo. García planejou um 3-5-2, tirando M'Bengué e colocando Florentin Pogba. Mas minutos após a troca, ou seja, com pouco tempo de bola rolando no segundo tempo, o zagueiro suíço-brasileiro Léo Lacroix deu uma tesoura frontal em Fekir, que ainda prendeu o pé do meia do OL no gramado. Expulsão direta. Lyon ficaria com um a mais durante toda a etapa final.

Se o St-Étienne já entrou em campo sofrendo com a falta de qualidade técnica do seu elenco, com um a menos em campo, portanto, essa diferença cresceu bastante. Sabendo aproveitar as brechas do campo desde o início, o OL explorou exatamente isso para chegar ao seu 3º gol no jogo. Aouar achou um passe mágico para Kenny Tete passando em infiltração. Ele recebeu nas costas da marcação, entrou na área e cruzou rasteiro para Mariano Díaz completar. 3 a 0!

O gol de Mariano foi aos 13' da etapa final. Apenas sete minutos depois, aos 20', o OL chegaria novamente a mais um gol. O mesmo Mariano Díaz roubou bola no meio e rapidamente saiu em velocidade, puxando o contra-ataque. Na direita, estava Bertrand Traoré, que recebeu, entrou na área, cortou pro meio e bateu colocadinho, com muita técnica, no canto de Ruffier que até tentou chegar e não conseguiu! 4 a 0!

Após o gol, Óscar García queimou sua última troca Janko entrava no lugar de Pierre-Gabriel. Pouco tempo depois, o time conseguiu finalizar em direção a Anthony Lopes pela primeira vez desde o primeiro lance da partida. E foi em bola parada. Na cobrança de falta, Jonathan Bamba colocou muita curva e veneno na bola, conseguiu tirar da barreira, mas colocou muito no canto, mandando pra fora.

Antes de Mendy e N'Dombélé entrarem no lugar de Marçal e Tousart, o Lyon quase conseguiu fazer o quinto. Foi uma jogada excelente de Mariano Díaz, que recebeu na região central da entrada da área, parou, segurou e esperou Fekir se infiltrar. O capitão do OL entrou sozinho e, quando colocou no cantinho, Ruffier buscou fazendo uma defesa heroica, evitando a extensão do placar.

Ruffier só não conseguiu evitar Fekir novamente. E o quinto gol era questão de (pouco) tempo. Mariano Díaz recebeu no meio, abriu espaço e achou Fekir passando. A zaga tentou cortar, mas o capitão saiu, novamente, frente a frente com Ruffier, que agora não salvou. Após o gol, o camisa 18 provocou a torcida do ASSE, que invadiu o gramado e o jogo foi interrompido novamente, ficando quase 40 minutos parado, para retornar com Ferri no lugar de Fekir e o restante dos minutos protocolares para decretar a vitória do OL.

Depois de uma sequência de grandes jogos importantes, o Lyon agora pode dar uma pisada no freio na próxima rodada - e provavelmente deve até poupar, mesmo tendo uma semana de Data Fifa no caminho. Em casa, enfrenta o Montpellier. Partida válida pela 13ª rodada do Campeonato Francês. O jogo será no próximo dia 19 (domingo), às 14h do horário de verão de Brasília. Até lá!

FOTOS: AFP / Livescore (campinhos) / olweb.fr


OS GOLS DA PARTIDA:

Memphis (0-1):

Fekir (0-2):

Mariano Díaz (0-3):

Traoré (0-4):

Fekir (0-5):

OUTROS LANCES:

PRIMEIRA PARALISAÇÃO (SINALIZADORES):

EXPULSÃO DE LÉO LACROIX:

SEGUNDA PARALISAÇÃO (INVASÃO DA TORCIDA):

Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

sábado, 4 de novembro de 2017

[Ligue1 17/18] 12ª rodada - Saint-Étienne x Lyon

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


FOTO: Reprodução/Vídeo/L'Equipe

Todos sabem que o Campeonato Francês, atualmente, está polarizado. O PSG domina por completo tudo nesta temporada e o Monaco, assim como foi na última, parece ser o único capaz de fazer frente a isso. Contudo, isso não impede que Lyon e Saint-Étienne também briguem pela parte de cima da tabela e é isso que ocorre no atual cenário da Ligue 1. Ambos visam, quiçá, uma boa colocação para uma possível classificação para a Champions League da próxima temporada.

O Saint-Étienne vive um momento de tentar voltar às suas origens. A torcida, inclusive, cobra bastante isso e no fim da última temporada exigiu algum movimento severo da diretoria para que se comportasse de forma mais ambiciosa. A resposta foi dada de uma maneira talvez não muito esperada, com a contratação de um treinador novo e que mudaria a filosofia de jogo do time. Chritophe Galtier, no comando desde 2009, foi demitido e para o seu lugar trouxeram Óscar García.

Da escola barcelonista e seguidor de Cruyff, o novo comandante não ganhou muitas peças atrativas no mercado. Nomes como Rémy Cabella, Jonathan Bamba (foto), Loïs Diony, Assane Dioussé, Saidy Janko e dos brasileiros Hernani e Gabriel Silva foram as peças que chegaram. Ainda assim, com um time praticamente sem craques, o treinador consegue uma razoável campanha na atual 6ª colocação da Ligue 1.

García havia começado muito bem o campeonato. Até a 7ª rodada, foi uma derrota apenas, e diante do PSG. Mas entrou o mês de outubro e tudo desandou para o ASSE. Tropeços frente ao Troyes e o Montpellier, empate com o Toulouse, além de uma recente desclassificação para o Strasbourg na Copa da Liga Francesa fizeram o torcedor relembrar a apatia das últimas temporadas e o time vai para o clássico de cabeça baixa, confiando que a reação venha exatamente no confronto contra os rivais.

O Lyon, por sua vez, assim como nos melhores enredos, é a antítese. Começou a Ligue 1 nessa temporada tendo tropeços inexplicáveis. Empates com adversários como Nantes, Angers e Dijon. Na Liga Europa, o cenário também não parecia animador. Empatou com o Apollon Limassol e fez com mesmo placar contra o Atalanta, em casa. Mas aí veio o mês de outubro e tudo mudou.

A partir da 9ª rodada, enfrentou o Monaco e venceu por 3 a 2. Depois desse jogo, uma sequência das mais interessantes: bateu o Everton, em Liverpool, pela Liga Europa; goleou o Troyes, por 5 a 0, fora de casa; venceu o Metz em Lyon; e nesta quinta, também em casa, aplicou um 3 a 0 de novo no Everton. Em 15 jogos na temporada, somente uma derrota, claro, para o PSG – e ainda jogando muito bem, diga-se.

Vale lembrar que o Lyon passa, inclusive, por uma reformulação de elenco. Perdeu jogadores importantíssimos como Gonalons, Tolisso, Lacazette, Ghezzal, Jallet, Darder, Rybus, N’Koulou e Valbuna. No contrapeso, chegaram nove atletas: Mariano Díaz, Pape Diop, Marcelo, Marçal, Mendy, N'Dombélé, Tete, Traoré, além de Grenier, que voltou de empréstimo. A tendência, obviamente, é que o atual elenco só melhore com o decorrer da temporada, com ajustes técnicos e melhor entrosamento.

O setor ofensivo do Lyon, mesmo agora sem Lacazette e Valbuena, que deixaram o clube, vive grande fase. Este é o melhor início de temporada na Ligue 1 do Lyon desde 2012/13. Fekir, Mariano Díaz e Memphis Depay (foto) são responsáveis por 80% dos gols. Nas últimas 16 partidas de Fekir pelo Campeonato Francês, ele teve participação em 17 gols (12 marcados e 5 assistências). O franco-argelino, inclusive, foi o único convocado dos dois times rivais para a mais recente lista de Didier Deschamps e será o nome do jogo até, pelo menos, antes da bola rolar.

TEXTO: C'est Le Foot/SporTV

A partida entre St-Étienne e Lyon acontece neste domingo (05/10), às 18h do horário de verão de Brasília. No Brasil, SporTV3 promete transmissão da partida, ao vivo. Abaixo, confira os relacionados pelos dois times.



LYON:

GOLEIROS: Mathieu GORGELIN e Anthony LOPES;
LATERAIS: Fernando MARÇAL, Ferland MENDY, Kenny TETE e RAFAEL;
ZAGUEIROS: Jérémy MOREL, Mouctar DIAKHABY e MARCELO;
VOLANTES: Tanguy N'DOMBÉLÉ, Jordan FERRI e Lucas TOUSART;
MEIAS: Houssem AOUAR e Nabil FEKIR;
ATACANTES: MEMPHIS Depay, Bertrand TRAORÉ. Maxwel CORNET e Mariano DÍAZ;
TÉCNICO: Bruno GÉNÉSIO;
DESFALQUES: Mapou YANGA-M'BIWA e Clément GRENIER



ST-ÉTIENNE:

GOLEIROS: Stéphane RUFFIER, Jessy MOULIN e Alexis GUENDOUZ;
LATERAIS: Kévin THÉOPHILE-CATHERINE, Cheikh M'BENGUE, Saidy JANKO, Ronaël PIERRE-GABRIEL e GABRIEL SILVA;
ZAGUEIROS: Léo LACROIX e Florentin POGBA;
VOLANTES: Bryan DABO, Vincent PAJOT, Habib MAÏGA, HERNANI, Ole SELNÆS e Assane DIOUSSÉ;
MEIAS: Kenny ROCHA SANTOS e Romain HAMOUMA;
ATACANTES: Jonathan BAMBA, Kévin MONNET-PAQUET e Alexander SÖDERLUND;
TÉCNICO: Óscar GARCÍA;
DESFALQUESLoïc PERRIN, Rémy CABELLA e Loïs DIONY


Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Em segundo tempo perfeito, Lyon esmaga o Everton em casa

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


Time inglês até suportou na primeira etapa, mas só foi sofrer um gol que as forças acabaram e se entregaram em campo e psicologicamente




Não pode se dizer que o Lyon iniciou bem a sua campanha na Liga Europa. Começou empatando com o Apollon Limassol, no Chipre, por 1 a 1. Aquele que, teoricamente, seria pior do grupo, logo deu as caras. Na rodada seguinte, mais um empate. E em casa. O Lyon tropeçou diante daquele que, também teoricamente, seria o terceiro melhor do grupo. O resultado também por 1 a 1 colocou uma pulga atrás da orelha. Mas tudo mudou, quando na 3ª rodada, o OL foi até Liverpool e venceu bem o Everton por 2 a 1. O resultado fora de casa, diante daquele que pode ser considerado o melhor time do grupo, deu um novo ânimo. E nesta quinta, o Everton novamente seria o adversário, agora no Groupama Stadium. Uma vitória praticamente deixava o Lyon em ótimas condições no grupo.

Para tentar bater os Toffees, o primeiro grande trunfo de Bruno Génésio era ter um departamento médico praticamente vazio. Somente Clément Grenier, que já não vinha sendo relacionado mesmo, acabou ficando ausente. Fora isso, elenco todo disponível para o treinador montar da melhor maneira que lhe convir. E assim ele fez mudanças. As laterais, ainda sem definições de titulares e reservas, ficaram com Rafael e Mendy. Na zaga, Morel foi pro banco e Diakhaby escolhido. N’Dombélé voltou pro meio e Mariano Díaz era poupado. Cornet jogava em seu lugar, mas aberto pela direita, enquanto Traoré fazia o centroavante. Veja:




Já no Everton, o que se via antes do jogo, era praticamente um caos instaurado. Recentemente, demitiram o treinador Ronald Koeman. Além de somar somente um ponto no Grupo E da Liga Europa, o time também amarga a zona de rebaixamento na Premier League. Praticamente abandonando o barco da competição internacional, o técnico interino David Unsworth decidiu nem levar nomes como Jagielka, Baines e Rooney. Além disso, em sua escalação inicial, optou por deixar no banco nomes como Klaassen, Vlasic, Mirallas e Calvert-Lewin. Incrivelmente, Sigurdsson começava jogando de centroavante. Confira como Unsworth escalou sua equipe:




O Lyon, como já se esperava, começou bem melhor a partida. Se posicionando de maneira firme no seu campo de ataque, conseguia, inclusive, tocar a bola perto da defesa adversária e acionava, a todo instante, o seu lado esquerdo. Mendy apoiava muito bem, Memphis também tinha boa atuação pelo setor e, quando precisava, Fekir aparecia para encostar e criar boas situações por ali.

As poucas subidas do Everton, até a metade do primeiro tempo, eram de pouca efetividade. Com Sigurdsson posicionado como centroavante, faltava um cacoete para boas situações aparecerem por aí. Mesmo o Lyon jogando com uma defesa ofensiva e, de certa forma, frágil, o time visitante tinha enorme dificuldades para conseguir trabalhar a bola no setor e praticamente rifava suas poucas ocasiões.

A primeira chance real de gol apareceu aos 23’, quando Memphis Depay fez um chuveirinho na área e Traoré conseguiu tirar uma casquinha na bola, desviando da rota do goleiro Pickford, que conseguiu espalmar. No rebote, Fekir cruzou de primeira e rasteiro na área, mas não havia tempo para ninguém aparecer fechando e o chute também foi muito forte. Alguns minutos depois, Fekir também desperdiçaria outra chance, isolando um bom cruzamento do brasileiro Rafael.

Outra boa chance do OL na partida aconteceu aos 35’. Memphis Depay, perto da entrada da área, fez um corte e acabou sendo derrubado pela defesa. A arbitragem marcou falta e o mesmo Memphis decidiu cobrar dali mesmo. Um chute meio de longe, mas que acabou pegando muita velocidade e muita força. Pickford, mesmo assustado, conseguiu evitar a bomba espalmando pra longe, mesmo tendo sido no meio do gol.

Já perto do fim do primeiro tempo, em um lance despretensioso, Cornet disputou bola com Martina e o lateral do Everton acabou caindo de mal jeito e de costas. Ele ficou estirado no gramado por aproximadamente oito minutos e sendo atendido com muito critério e cuidado. Não conseguiu ter condições de voltar para o jogo e acabou sendo substituído, aos 42’ por Besic.

Com a queda de Cuco Martina e seu atendimento, o primeiro tempo acabou tendo raros sete minutos de acréscimos e o Lyon não queria voltar pro vestiário com o placar em branco. Tentou imprimir um pouco mais de pressão no finalzinho. Marcelo quase marcou de cabeça e depois foi a vez de Traoré experimentar de fora da área.  Depois disso a pressão foi se dissolvendo até o apito do intervalo.

No primeiro minuto do segundo tempo, quem incomodou de verdade foi o Everton. Se não fosse Anthony Lopes, que não apareceu em nenhum momento da primeira parte, o time visitante abriria o placar. A finalização foi do volante Gueye e Lopes buscou no cantinho para evitar o gol dos Toffees. Foi o primeiro momento em que a torcida, que apoiava o jogo inteiro, acabou distribuindo vaias.

Antes dos 20’ do segundo tempo, os dois times mexeram. O interino David Unsworth colocou Calvert-Lewis e tirou o volante Gueye. Já Bruno Génésio trocou “seis por meia-dúzia”, em termos de posição no campo, colocando Aouar e tirando Fekir. Everton claramente percebendo que dava para explorar a queda de produção do Lyon, enquanto o time da casa brigava para buscar um gol na base da individualidade.

Quando o Everton parecia querer gostar do jogo, com Calvert-Lewis tabelando com Sigurdsson e o islandês mandando uma bomba de fora da área, assustando Lopes, o Lyon devolvia com mais força. E fazendo gol. A defesa inglesa tentava sair jogando e N’Dombélé interceptou e, sem querer, acabou fazendo uma assistência para Traoré, que só teve o trabalho de entrar na área e tocar na saída de Pickford. 1 a 0!

O gol era o que o Lyon precisava para crescer no jogo e era o que o Everton não precisava para perder a cabeça. Traoré saiu logo após o gol e deu lugar para Mariano Díaz. Ele já começou a fazer confusão na defesa adversária e em um bate-rebate quase Cornet mando um petardo no ângulo. Passou muito perto! Depois disso, Unsworth queimou sua última troca, colocando Vlasic e tirando Lennon. A troca no Everton não surtia efeito e o time parecia já aceitar a eliminação.

O OL dobrou o marcador aos 31’ da etapa final. Pickford defendeu bom chute de fora da área e a bola acabou voltando para a posse do OL. Na entrada da área, Memphis Depay acabou passando para Aouar, que bateu dali mesmo e colocou no cantinho, sem chances para o goleiro! 2 a 0. Logo depois do gol, N’Dombélé foi sacado por Génésio, que queimava sua última alteração com Ferri em campo.

Já se aproximando perto do fim, o Everton era um time morto dentro de campo. Não esbanjava nenhuma reação e já tinha entregado os pontos. Piorou, quando Morgan Schneiderlein, que já estava amarelado, dar um pontapé em Cornet e ir para o chuveiro mais cedo. Foi o que o OL precisava para fechar o caixão. Em bola alçada na área, aos 43’ do segundo tempo, Memphis Depay subiu mais alto e decretou o 3 a 0! Um segundo tempo com direito a show.

O Lyon agora tem um jogo importantíssimo pela frente – talvez até mais do que esse pela Liga Europa. Entra empolgado e forte para o clássico da região do Ródano-Alpes: Saint-Étienne x Lyon, considerado por boa parte dos especialistas do país como o clássico mais efervescente de toda a França. O jogo será no próximo domingo (5), às 18h. Partida válida pela 12ª rodada da Ligue 1 e já com todos os ingressos esgotados! Até lá!

FOTOS: L'Equipe / Livescore / olweb.fr / Reprodução-Twitter @WYN_OL


OS GOLS DA PARTIDA:

Traoré (1-0):

Aouar (2-0):

Memphis (3-0):


Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!